Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

limbos verdes

limbos verdes

sobre ontem

 

C1840C6E-6409-4078-B451-E6B3C114BB55.jpeg

8DCA87C4-62CB-4BBA-A95B-94D1A6FB03E4.jpeg

D6AAF138-3852-4042-BE6A-E723C4EC63AC.jpeg
(entre anemonas e muitos  narcisos em floração, também se encontram ainda margaridas e, a mais recente, romulea bulbocodium)

944569B8-92C6-4F56-9F38-66817A2660FF.jpeg

87CE4714-AA1F-4F96-8B4C-DED1AE90D9A3.jpeg

1DE5DCD7-E4B3-4659-B1DA-A2BC00F6E415.jpeg

C3034C1B-178C-4767-B87B-5E0F14D60787.jpeg

1. Himantoglossum robertianum

2. Anemone palmata

3. Narcissus bulbocodium

4. Hyacinthoides hispanica 

5. Ophrys fusca

D16C944D-C4A3-41E3-8497-D08956664417.jpeg

B70F93A7-552B-478C-8E7F-6329736352A3.jpeg

C59661F9-77A1-4CE8-8A97-9AD31F01E2F3.jpeg

FF01697E-6070-47F3-AAB6-2ED3CE4D383F.jpeg

" Se somos as flores do mundo, não é por nunca pararmos de reconfigurar a sua substância, mas porque nunca lhe escapamos. Estar no mundo, significa, acima de tudo, estar exposto a este ritmo de transformação de que nem a morte nos pode libertar.  Permaneceremos do mundo - harmonizados com todas as suas formas - mesmo quando estivermos mortos. Nunca deixaremos de o atravessar e de ser por ele atravessados. Nunca deixaremos de ser mundo. A nossa identidade coincidirá sempre com a sua substância, seja ela acentuação, máscara ou harmonia.' 

E. Coccia 

 

 


 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.